São Carlos do Jamari

A comunidade de São Carlos do Jamari se localiza na área rural do município de Porto Velho, capital do estado de Rondônia, na beira de um dos principais rios da bacia Amazônica: o Madeira. A localidade por ser acessada por via fluvial e terrestre, estando em ambos os casos a cerca de cento e vinte quilômetros à jusante do município de Porto Velho e a cerca de duzentos quilômetros a montante da divisa de Rondônia com o estado do Amazonas. Essa distância pode ser percorrida em aproximadamente uma hora e vinte minutos de carro por estrada de terra ou cinco horas de barco “de linha” pelo rio Madeira.

São Carlos encontra-se no entorno de duas unidades de conservação de uso sustentável, uma localizada na mesma margem do Madeira que a comunidade – a Reserva Extrativista do Lago do Cuniã – e a outra, na margem oposta – a Floresta Nacional do Jacundá.

De acordo com relatos de moradores locais, São Carlos foi formada por descendentes de trabalhadores de três seringais antigamente existentes em suas proximidades. Os nomes das antigas colocações de seringas e vilas daqueles tempos são ainda hoje referências espaciais importantes para os moradores das comunidades e usados frequentemente, sobretudo, pelos extrativistas. Com a partida dos patrões, que ocorreu, ao que tudo indica, somente em meados do século XX, os trabalhadores se aglomeraram na localidade em que a comunidade hoje se localiza, apesar de a grande maioria continuar a coletar os produtos da mata nas mesmas colocações utilizadas na época dos patrões para vender de forma independente para os (poucos) comerciantes que vinham comprá-los de barco na beira do rio. Hoje São Carlos é uma das maiores comunidades do Baixo Madeira e possui uma infra-estrutura acima da média das outras comunidades.

A comunidade possui 370 famílias (cerca de 1300 habitantes) e é sede de Distrito de Porto Velho também denominado São Carlos do Jamari, que inclui 11 outras comunidades. A comunidade conta com um Administrador Local que é indicado pelo Prefeito de Porto Velho. Além do administrador, a prefeitura mantém mais 16 funcionários que operacionalizam a prestação de serviços públicos básicos para a comunidade, como a limpeza e manutenção das áreas coletivas, a manutenção do microssistema de água que abastece à comunidade.

A comunidade possui 4 associações locais, que representam os moradores, os pescadores, agricultores e extrativistas, as mulheres e os bandeirinhas (pessoas que trabalham no transporte de passageiros da comunidade para a estrada para Porto Velho, que se localiza na outra margem do Madeira). Essas organizações enfrentam, atualmente, grandes dificuldades de organização e gestão.